Estágios da preparação para a maternidade – Alimentação

Não sei bem ao certo quando começou a minha preparação. Acho que começou inconscientemente em uma vontade de melhorar minha vida em diversos aspectos. Leia aqui: Quando eu quis ser mãe

O primeiro deles, acredito eu, que foi em relação aos hábitos saudáveis de vida. Penso que para colocarmos alguém no mundo, temos que nos preparar para isso. Prepararmos o nosso corpo e os nossos hábitos. Amo batata frita, torresmo, bacon, pizza e guloseimas em geral, mas sei que isso nem de longe vai fazer bem para um ser humano que acabou de chegar a este mundo e não tem os seus órgãos funcionando em sua plenitude.

Iniciei o ano de 2015 pesando quase 65kg, pra minha altura de apenas 1,58m é um peso bem acima do que seria ideal, ou pelo menos do que eu considero ideal para mim. Estava vivendo uma fase em que eu e meu esposo tínhamos uma hamburgueria, e o hambúrguer era muito bom. Então, acabava comendo 4x por semana hambúrguer, batata frita e refrigerante, as segundas eram determinadas o dia da pizza, cervejas e frituras aos finais de semana e raramente contávamos com uma salada ou fruta nas refeições. Normalmente comíamos quando íamos na casa da sogra. Ou seja, bem de longe uma rotina de alimentação saudável.

Em meados de 2015 vendemos a hamburgueria e as coisas começaram a voltar ao normal. As caminhadas no final da tarde voltaram a ser rotina, começamos a fazer salada no pote para almoçarmos, introduzimos mais frutas, verduras e legumes nas refeições, ensaiei para aprender a fazer comidas mais saudáveis, as bebedeiras foram diminuindo… Enfim, hábitos saudáveis começaram a fazer parte na nossa rotina.

Eu não parei para pensar: “Quero ter um filho. Vou mudar meus hábitos”. Mas acredito que foi algo inconsciente, até porque nesta época eu estava decidida a não ter filhos. Até coloquei um DIU Mirena para evitar a gestação. No fundo acho que coloquei o DIU para me dar uma prazo: “Tenho cinco anos para decidir se engravido quando tirar o DIU, ou se coloco outro e desisto de vez da maternidade”. Leia aqui: Quando eu não quis ser mãe

Mas hoje acredito que esta mudança de hábito tenha feito uma diferença muito grande na minha vida. Quando eu pensava em ter filhos, eu sempre disse que queria estar pesando 50kg antes de engravidar, para ter uma margem para engordar…hahaha bobeira né? O que importa é estar bem de saúde, física e mental. Não fiquei neurótica com peso, continuei comendo as coisas que eu gosto, mas aprendi a comer com moderação. Antes eu comia até acabar a comida que tinha na minha frente, hoje eu como até me satisfazer. Consegui emagrecer 14kg, ainda não tenho a rotina de vida saudável que eu espero ter um dia, mas estou mais perto do que antes. Leia aqui: Alimentação antes da gestação

As aulas de culinária ficaram para trás, as saladas no pote também, mas consigo fazer escolhas melhores do que antes. Sei que tem muita coisa que preciso mudar, mas o que consegui até agora é um grande avanço. E devemos nos alegrar a cada conquista, cada vitória, cada passo para frente.

Eu pretendo chegar um dia em que algum problema não interfira na minha rotina alimentar. Porque hoje interfere e muito. Se estou preocupada, ansiosa, eu já passo a não querer ir ao mercado, não querer cozinhar, lavar a louça, programar e preparar as minhas refeições. Mas as mudanças acontecem aos poucos em nossa vida, e não adianta querer mudar hábitos de uma vida inteira do dia para a noite.

Eu acredito muito na rotina, com rotina você pode fazer escolhas melhores e usar melhor o seu tempo. Uma rotina e planejamento de alimentação pode trazer muitos benefícios ao organismo e ao dia a dia.

Se você consegue fazer um planejamento alimentar, ao acordar você já terá definido como será o seu café da manha, o seu almoço, os seus lanches e o seu jantar. Sendo assim, ao invés de cada refeição, você parar pra pensar: o que eu vou fazer, ou como vou fazer, você já tem o cardápio definido, os ingredientes em mãos e só colocar a mão na massa.

Há uma economia de tempo e energia. Nos desgastamos ao pensar em cada item da refeição, em como elaborar, e na hora de executar, já começa a bater o desânimo em fazer. Pelo menos é o que acontece comigo! As vezes usar a terceira pessoa para se definir parece mais interessante..rs

Mas é isso. Uma mudança alimentar, para mim, precisa de rotina, de planejamento, de disciplina. Não estou dizendo que parei de comer todas as guloseimas gostosas do mundo, mas reduzi a frequência e quantidade! Mesmo nos dias de mais falta de vontade de cozinhar ou ir ao mercado, tento colocar uma fruta, uma verdura, ou legume nas refeições. Para o meu organismo lembrar que isso é importante e precisamos deles para nos manter firme e forte!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *