Desabafos de uma mãe: Quando descobri que estava grávida!

A farmácia!
Lembro de uma vez que achei que estava grávida, sem estar querendo engravidar, e fui comprar um teste de farmácia. Deu uma sensação de vergonha, tipo quando eu era adolescente e tinha que comprar absorvente. Parecia uma coisa vergonhosa! Quanto tabu em torno de dois processos tão naturais da vida!
Mas desta vez foi diferente, eu estava desejando uma gravidez! Entrei na farmácia, toda confiante e sem me incomodar com os olhares ao meu redor!
Cheguei em casa e falei pro marido que eu faria o teste no dia seguinte (minha menstruação nem estava atrasada, só queria acabar com a ansiedade: foi desta vez?), aí ele disse pra fazer logo, já estava na mão mesmo.
Entrei pro banheiro e fui fazer o teste. Normalmente eu ficava olhando o teste, pra ver ele mudar de cor, mas desta vez, achei que seria igual as outras (resultado negativo) e não dei muita bola, fui fazer outras coisas. Quando resolvi olhar o resultado, não acreditei no que vi. Estavam lá as duas tirinhas! Que sentimento confuso! Um misto de: “ai meu Deus, deu certo”, com um “ai meu Deus, e agora?” Eu só tenho uma coisa a dizer! Deus foi muito bom comigo, mas eu me programei e planejei a minha vida! Ouvi muito: não adianta planejar a maternidade. Mas pra mim deu certo. Não queria ter barrigão no verão, queria estar com barrigão no inverno! Até isso deu certo❤

Por mais que eu estivesse tentando engravidar, quando vi o resultado, acho que não acreditei muito no que vi. Pra quem leu o post sobre a retirada do DIU (Leia aqui: Retirada do DIU ) eu retirei em outubro, sabia que meu período fértil poderia ser restabelecer no próximo ciclo, mas sabia também que seria normal esperar até um ano.

Em dezembro bateu um misto de medo com ansiedade, estava de férias e cometi todos os excessos possíveis. Estava decidida a estudar para uma prova que seria em fevereiro, então quando foi chegando o dia da menstruação descer, já foi batendo a ansiedade: Foi desta vez? Fiz o teste antes também, mas deu negativo. E aí, vida que segue, não fiquei feliz, mas não fiquei triste sabia que era um cenário possível. Continuei com meus planos, projetos e programações.

Não sou muito fã de atividade física, mas gosto de dançar, então meu exercício era ir para as aulas de zumba e fit dance! Continuei meus estudos e minha rotina, sem neura e nem paranoia. Inclusive no dia que eu achava que estava no período fértil, nem tive relações com meu marido. O que me deixava ainda  mais crédula de que eu não engravidaria naquele mês.

Ledo engano! Depois que eu senti uma súbita vontade de comer brócolis no meio da tarde, e os odores se tornaram mais intensos, comecei a pensar se poderia mesmo estar grávida.

E eu estava, na hora pensei: Nem acredito que este dia chegou!Sonhei, planejei, me programei e deu certo.

Depois de sair correndo do banheiro, me jogar nos braços do meu marido e contar a notícia, fui tomar um banho. E eu chorei. Chorei porque esta era uma coisa que eu queria e que eu sabia que não dependia só de mim, dependia de um universo inteiro para que isso acontecesse. Das coisas que dependem de mim, eu não tenho medo, mas das que não dependem… essas me afligem.

E sobre todos aqueles sintomas da gravidez, aqui até agora estão passando despercebidos… Mas é assunto para outro post.

Me despeço extremamente feliz por estar escrevendo este texto GRÁVIDA!

É, vou ser mãe! As vezes parece que a ficha ainda não caiu. Mas aqui dentro uma vida está sendo gerada!