As mudanças da Gestação

O meu corpo está mudando, a minha cintura já foi pro beleléu, meu umbigo fundo já está raso, minha barriga cresce mais a cada dia, não durmo mais até as 10h da manhã, acordo de madrugada pra comer, e por mais bizarro que pareça, isso faz de mim uma mulher extremamente feliz e realizada, por saber que todas essas mudanças são necessárias para a chegada da minha jóia preciosa, minha Letícia  É muito amor 😍

Conselho para uma gestante

A plenitude da gestação! A fase em que você acha que sabe, acha que leu o suficiente, acha que entendeu como sua vida vai funcionar depois do parto, acha que tem algum controle sobre alguma coisa!
Se eu pudesse dar um conselho pra esta mulher da foto seria: continue assim, você está no caminho certo! Dificuldades virão, mas o amor que você nutre por esta que você carrega em seu ventre vai fazer você passar por tudo com muita calma e amor.

Vacinas de 2 meses

Dois meses de vida!
Com dois meses já passamos por tanta coisa né filha? Foram tantas dificuldades e obstáculos superados que parece que foram dois anos.
Mas hoje com os seus dois meses vieram também as vacinas. As temidas vacinas! É muita coisa pra um dia só né?
Vacinas penta, polio, pneumo, e rotavirus!
Eu, mãe de primeira viagem, estava morrendo de medo das vacinas e suas reações.
Depois de muito ler, estudar, analisar e entender como funciona o esquema de vacinação da rede pública e privada, optei pela rede privada, das que têm maior cobertura, pneumo e rotavirus e a penta + polio, daria na rede pública, mas como na rede pública está em falta, dei também na rede privada.
Escolhemos o laboratório @laboratorioprevilab em Limeira/SP. Adorei o atendimento, nos explicaram todas as vacinas, formas de aplicação, possíveis efeitos colaterais e o principal: pude amamentar durante a aplicação das vacinas, que reduz o desconforto para o bebê!
Lendo sobre os efeitos da vacina, descobri que a thuya diminui os efeitos colaterais das vacinas. Corri pra manipular e dar pra Letícia. Se foi a thuya, ou o fato de ter sido na rede privada, eu não sei. Mas já estamos no final do dia é até agora sem reações

O que me define?

Recentemente me fizeram esta pergunta, e me fez pensar um pouco….

Gestante. Não é o que me define, mas é como hoje eu me defino.

Depois de muito querer ser mãe, tentei me convencer de que eu não queria mais, e quase consegui! Mas o desejo de gestar, gerar alguém em meu ventre foi mais forte e mais intenso do que eu poderia prever.

Vivendo uma das melhores fases da minha vida, colhendo os frutos de longas batalhas, não sabia se estava pronta para “abrir mão” de quem eu era. Mas o relógio biológico estava passando, e a hora de decidir estava chegando. Abri meu corpo, meu coração e minha alma para receber o fruto de um grande amor. E não demorou, logo veio o nosso positivo, e a confirmação de que receberíamos em nosso lar e coração a nossa menina, a nossa Letícia.

Munida de informação, conhecimento e sentimento, estamos na reta final de uma gestação linda, plena, repleta de amor e carinho.

Agora eu já não sei mais quem eu sou, mas sei que eu quero ser. Quero ser mãe! Uma boa mãe, uma mãe carinhosa, amorosa, presente, firme, que ama e que educa, que ensina e que acolhe.

Não, a minha história não é de longe um conto de fadas, mas hoje eu tenho um resultado feliz para contar, não importa quantas lutas ou batalhas você tem que travar para alcançar o que deseja, o importante é continuar lutando e não desistir, parar de tempos em tempos e repensar as estratégias de batalha.

Temos uma força que muitas vezes não conhecemos, mas precisamos descobri-la e usa-la a nosso favor.

Hoje meu mundo gira em torno desta criança que estou gestando, e estou feliz com isso. Há quem ache exagero, mas eu decido o rumo que eu quero dar para minha vida. E estou feliz com a decisão de me dedicar para dar o melhor ensino e educação que eu serei capaz de dar. Isso não quer dizer que eu pretenda me anular, mas se acontecer e eu estiver feliz com isso, tudo bem também.

Independente das nossas escolhas, temos que estar felizes com ela, e se não estivermos, sempre há tempo para mudar!

O que me define? Amor e felicidade que aumenta a cada dia!

Primeiro Trimestre da Gravidez

Durante o tempo em que eu estava planejando a minha gravidez eu li muitos relatos e textos de diversas mães, e muitos deles se tratavam de: coisas que não te contam sobre a gravidez. E uma das coisas que eu não li, mas que foi a primeira que senti, foi como o meu amor pelo meu marido aumentou. E sabe porque eu não li isso em texto algum? Não é porque meu marido seja o melhor marido do mundo ou coisa assim ( pra mim ele é). Mas não li porque cada gestação é única, cada experiencia com a maternidade vai variar de acordo com cada mulher e em qual fase da vida ela se encontra. Uma mulher pode ter 10 filhos e nenhuma gestação será igual a outra.

Então, hoje leio com um olhar diferente os textos “coisas que ninguém te conta sobre a maternidade”, ninguém te conta, pois quem escreveu viveu aquilo, não significa que eu vou viver.

Vou relatar o meu primeiro trimestre de gestação. Pode ser que alguém se identifique, que tenha vivido uma experiencia semelhante a minha, assim como pode ser que ninguém se identifique com o meu relato, ou pior ainda, pode ser que tenha pessoas que nem acreditem no meu relato, por ter vivido uma experiencia completamente diferente!

Desde quando descobri a minha gestação, em 02/01/2019, (Leia aqui: Quando descobri que estava grávida) mudei a minha alimentação, comecei a comer melhor e diminui drasticamente as idas a fast foods, depois que cheguei no peso que eu queria dei uma abusada nas besteiras…rs, e ainda estava terminando a comilança de final de ano! Com a melhora na alimentação, voltei ao meu peso ideal. Não tive absolutamente nada de enjoo, azia, ânsia de vômito, ou qualquer coisa que me fizesse passar mal ou deixar de comer. Tenho comido muito bem, sinto  fome a cada 2h, nos intervalos das refeições tento comer sempre uma fruta e um biscoito. E por incrível que pareça, estou com 15 semanas de gestação e meu peso não mudou. Não emagreci como algumas mulheres, assim como também não engordei. Mais uma coisa para mostrar que cada gravidez é única. Há gestantes que perdem peso, as que ganham peso, e as que mantem o peso. Ou seja, qualquer que tenha sido o seu resultado na balança, é normal.

Como eu já escrevi em alguns posts, a minha gestação foi planejada, e uma das coisas que eu queria era ter acompanhamento com todos os profissionais necessários. No meu caso, envolvi: obstetra, angiologista, dermatologista, nutricionista e fisioterapeuta. Vou resumir a consulta e orientação de cada um deles. Lembrando que cada caso é um caso e estas consultas foram específicas aos meus problemas/situações. Saiba tudo aqui: Planejando a maternidade

Obstetra: Primeira consulta, lista de exames de sangue, ultrassom e orientação para continuar o uso do ácido fólico. Na primeira ultrassom, a desesperada aqui praticamente saiu do consultório e já foi fazer. Resultado: só deu pra ver o saco gestacional, por dentro fiquei apavorada, mas descobri que isto é bem comum nas primeiras semanas de gestação. Fiz a segunda USG e podemos ver um embriãozinho que já balançava os toquinhos de braços e pernas. Segunda consulta: tudo certo com os resultados dos meus exames e com a USG do bebe. Iniciamos a suplementação de vitaminas. Terceira consulta: Resultado da USG – Translucência Nucal, tudo perfeitinho com o bebe, crescendo bem, vimos todos os dedinhos da mão, ainda esticou as perninhas para a mamãe ver que está tudo bem, (80% de chance de ser uma menina). Solicitação de mais uma USG para confirmar o sexo do bebe, e solicitação do exame coombs indireto, para ver se o sangue do bebe é compatível com o meu.

Angiologista: Como eu tive problemas de varizes, precisei fazer uma cirurgia que me deixou apavorada, optei por uma consulta logo no inicio da gestação para tentar minimizar os danos. Orientação médica: tentar não engordar muito (até aqui estamos muito bem), meia de compressão (ainda bem que ultimante não está tão quente então estou conseguindo usar), hidroginástica (não está tão quente porque está chovendo, e com chuva não consigo fazer hidroginástica, a piscina não é coberta), esticar as pernas sempre que possível e fazer caminhada. A caminhada não está rolando muito, mas vou passear com a cachorra, acho que conta um pouco. Tento ir às aulas de zumba ou fitdance pelo menos 1 ou 2x por semana. E depois da 12ª semana comecei a fazer pilates 1x por semana.

Dermatologista: Na internet conseguimos muitas informações sobre tudo, o que por muitas vezes nos deixam com mais dúvidas do que certeza. E pra mim, nenhuma busca vai substituir a avaliação de um profissional. Então fui buscar informações sobre a prevenção de estrias/melasmas durante a gestação. O que a dermato explicou é que nos dois casos temos que levar em consideração o fator genético. Se você tiver predisposição para ter, não vai ter creme, óleo ou protetor solar que impeça o surgimento, mas com certeza vai diminuir os danos. E uma dúvida que eu tinha era em relação ao óleo corporal. O que ela me explicou foi que para tentar amenizar os danos das estrias, caso elas surjam, o ideal é um creme com um bom poder de hidratação (ela me recomendou o CeraVe), e depois passar o óleo, porque o creme hidrata e o óleo forma uma barreira protetora na pele que impede que a pele fique ressecada. Então: primeiro creme, e se desejar o óleo depois. Em relação aos seios: sem sabão, sem bucha e sem hidratante nas auréolas e bicos. E se possível sol 15 minutos por dia nas auréolas. Pode proteger o restante dos seios para não pegar sol. E se não for possível tomar sol, pode colocar um lâmpada de 40w próximo aos seios por 2 minutos e ir aumentando gradativamente conforme for aumentando a resistência da auréola/bico do seio. Melasmas: protetor solar sempre e reaplicar pelo menos uma vez por dia!

Nutricionista: A consulta é direcionada para as necessidades individuais de cada paciente, ela fez um cardápio de acordo com os meus gostos e hábitos alimentares. Como eu já não estava consumindo refrigerantes, bebidas alcoólicas, frituras, sal e açúcar em excesso, houveram poucas modificações. Mas no geral, a orientação é comer bastante fruta, verdura, legumes (tudo muito bem higienizado para evitar contaminação), não comer carne crua ou mal passada, evitar embutidos e industrializados, dar preferência aos alimentos integrais e naturais. Ingerir bastante proteína, diminuir o consumo de cafeína (troquei o expresso pelo café coado, e diminui a quantidade. As vezes tomo o descafeinado). Eu estava sentindo muita fome de madrugada. Ela me recomendou comer alguma fruta com aveia na ceia, que dá a sensação de saciedade por mais tempo. E deu algumas dicas legais:
Fazer sal com gergelim – gersal: Misturar 10 colheres de gergelim, 1 de sal, aquecer na frigideira e triturar no liquidificador. Pode substituir o uso do sal comum, fica bem nutritivo e mais gostoso.
Acrescentar 1 colher de quinoa no arroz pra aumentar a ingestão de nutrientes.
E fazer panqueca de aveia: 1 ovo, 2 colheres de aveia, 4 colheres de água e uma pitada de sal. Bate no liquidificador e depois assa na frigideira. Pode rechear ou comer só ela… Ficou gostoso.

Fisioterapeuta: Eu já tinha o hábito de fazer drenagem linfática com a fisio por causa dos problemas circulatórios, então dei continuidade às drenagens e após a 12 semana iniciei as aulas de pilates, para fortalecer o corpo para suportar o peso da gestação e preparar para o parto.

Resumindo, o meu primeiro trimestre foi ótimo! Todos os exames e consultas que eu fiz estavam tudo bem comigo e com o bebe! Temos 80% de chance de ter uma menina. Não tenho sintomas ruins na gestação. Sinto preguiça, mas não vejo isso como uma coisa ruim. Quando estou sem vontade de fazer alguma coisa eu consigo ficar sem fazer nada. Não me atrapalhou no trabalho e nunca fui a louca da limpeza ou da organização em casa, então quando tinha alguma coisa em casa pra fazer, mas estava com preguiça, deixava para depois ou para o marido fazer. E se eu puder dar um conselho: descanse sempre que possível, e não é porque “depois que o bebê nascer você não dorme mais”, é porque o seu corpo precisa disso agora. Ele está se esforçando para gerar e nutrir uma criança. Isso cansa, então dê ao seu corpo o descanso que ele precisa!

E até o próximo trimestre!

 

Desabafos de uma mãe: Quando descobri que estava grávida!

A farmácia!
Lembro de uma vez que achei que estava grávida, sem estar querendo engravidar, e fui comprar um teste de farmácia. Deu uma sensação de vergonha, tipo quando eu era adolescente e tinha que comprar absorvente. Parecia uma coisa vergonhosa! Quanto tabu em torno de dois processos tão naturais da vida!
Mas desta vez foi diferente, eu estava desejando uma gravidez! Entrei na farmácia, toda confiante e sem me incomodar com os olhares ao meu redor!
Cheguei em casa e falei pro marido que eu faria o teste no dia seguinte (minha menstruação nem estava atrasada, só queria acabar com a ansiedade: foi desta vez?), aí ele disse pra fazer logo, já estava na mão mesmo.
Entrei pro banheiro e fui fazer o teste. Normalmente eu ficava olhando o teste, pra ver ele mudar de cor, mas desta vez, achei que seria igual as outras (resultado negativo) e não dei muita bola, fui fazer outras coisas. Quando resolvi olhar o resultado, não acreditei no que vi. Estavam lá as duas tirinhas! Que sentimento confuso! Um misto de: “ai meu Deus, deu certo”, com um “ai meu Deus, e agora?” Eu só tenho uma coisa a dizer! Deus foi muito bom comigo, mas eu me programei e planejei a minha vida! Ouvi muito: não adianta planejar a maternidade. Mas pra mim deu certo. Não queria ter barrigão no verão, queria estar com barrigão no inverno! Até isso deu certo❤

Por mais que eu estivesse tentando engravidar, quando vi o resultado, acho que não acreditei muito no que vi. Pra quem leu o post sobre a retirada do DIU (Leia aqui: Retirada do DIU ) eu retirei em outubro, sabia que meu período fértil poderia ser restabelecer no próximo ciclo, mas sabia também que seria normal esperar até um ano.

Em dezembro bateu um misto de medo com ansiedade, estava de férias e cometi todos os excessos possíveis. Estava decidida a estudar para uma prova que seria em fevereiro, então quando foi chegando o dia da menstruação descer, já foi batendo a ansiedade: Foi desta vez? Fiz o teste antes também, mas deu negativo. E aí, vida que segue, não fiquei feliz, mas não fiquei triste sabia que era um cenário possível. Continuei com meus planos, projetos e programações.

Não sou muito fã de atividade física, mas gosto de dançar, então meu exercício era ir para as aulas de zumba e fit dance! Continuei meus estudos e minha rotina, sem neura e nem paranoia. Inclusive no dia que eu achava que estava no período fértil, nem tive relações com meu marido. O que me deixava ainda  mais crédula de que eu não engravidaria naquele mês.

Ledo engano! Depois que eu senti uma súbita vontade de comer brócolis no meio da tarde, e os odores se tornaram mais intensos, comecei a pensar se poderia mesmo estar grávida.

E eu estava, na hora pensei: Nem acredito que este dia chegou!Sonhei, planejei, me programei e deu certo.

Depois de sair correndo do banheiro, me jogar nos braços do meu marido e contar a notícia, fui tomar um banho. E eu chorei. Chorei porque esta era uma coisa que eu queria e que eu sabia que não dependia só de mim, dependia de um universo inteiro para que isso acontecesse. Das coisas que dependem de mim, eu não tenho medo, mas das que não dependem… essas me afligem.

E sobre todos aqueles sintomas da gravidez, aqui até agora estão passando despercebidos… Mas é assunto para outro post.

Me despeço extremamente feliz por estar escrevendo este texto GRÁVIDA!

É, vou ser mãe! As vezes parece que a ficha ainda não caiu. Mas aqui dentro uma vida está sendo gerada!

Retirada do DIU

Quando eu coloquei o DIU foi uma experiência incrível! Dei adeus a cólica, fluxo intenso, TPM, remédios para cólica, absorventes, retenção de líquido… E saudei a lubrificação, a libido, protetor diário e voltei a me reconhecer mais. Sem o efeito daquelas pílulas tão pequeninas que faziam tanto estrago no meu organismo!

Mas… Como nem tudo são flores, depois de 2 anos e meio o DIU começou a me causar alguns desconfortos, a menstruação, embora em pequena quantidade, começou a descer duas vezes por mês, a cólica resolveu voltar a me visitar, e isso começou a me deixar bem irritada!

Eu que sou uma pessoa bem calma e controlada (sqn), comecei a ficar inquieta e impaciente. Voltei no ginecologista que havia colocado o DIU e ele disse que isso era “normal”. Aceitei a resposta dele a princípio e resolvi aguentar mais um pouco, já que em alguns meses eu iria retirar. Como eu estava disposta a procurar e conhecer outros obstetras na cidade para escolher com quem eu faria o meu acompanhamento de pré-natal, acompanhe em: Consulta com obstetra Acabei conversando sobre a retirado do DIU também. Na nossa primeira consulta, para conhecer a Obstetra, esclarecemos várias dúvidas e decidimos que voltaríamos no final do ano pra retirar o DIU.

Não passou nem 15 dias da consulta e minha menstruação já havia descido duas vezes! Na segunda eu surtei e falei pro meu marido que nem que fosse pra eu voltar a tomar anticoncepcional até o final do ano, mas que com o DIU eu não ficaria mais. Tentei marcar a consulta enquanto ainda havia sangramento, pois facilitaria na hora da retirada, mas nem pra isso a bendita serviu! Foi embora antes da consulta.

No dia em que fomos para retirar o DIU, conversamos com a obstetra e optamos por nos prevenir de outras formas. Coito interrompido, camisinha, abstinência (mentira, esta ultima não foi cogitada…rs), menos voltar a tomar anticoncepcional.

A retirada foi super tranquila. Ela pediu para que eu tossisse bem forte enquanto ela retirava. Doeu só um pouquinho, mas já saí de lá zerada!

Nos dias seguintes, tive um sangramento, o que era previsto, e vida que segue! E agora que estou experimentando mais uma vez a liberdade de estar sem hormônios me sinto bem melhor.

Ainda estamos prevenindo uma gestação pois acreditamos que ainda precisamos de mais um tempinho para começar a tentar engravidar. E que Deus nos abençoe a não precisar esperar muito quando resolvermos! Mas já tive uma conversinha com Ele, que eu engravide quando eu estiver pronta, e não quando achar que estou! E que se não for, é porque temos que buscar outras formas!

E ai? Alguém já tirou o DIU? Compartilhe sua experiência. Multiplicando informações podemos formar uma rede de apoio e de amor. Deixe seu comentário, envie um email, comunique-se!

 

Visão e gestação

Durante a minha infância eu tive a felicidade de não precisar usar óculos de grau, mas durante a faculdade eu comecei a ter alguns probleminhas de visão.

Na verdade eu nunca liguei muito, só usava quando ia estudar ou trabalhar, e muitas vezes esquecia em casa e nem fazia tanta diferença assim. Deixava de cumprimentar um ou outro por não enxergar muito bem, mas nada muito grave.

Mas com a idade chegando, a necessidade de usar óculos foi aumentando. Deixava passar algumas paisagens, E com isso acrescentei um item na minha lista de desejos: fazer uma cirurgia de correção.

Para fazer a cirurgia de correção é necessário que o grau se estabilize. E o meu já estava estabilizado. Consultei um oftalmo no meio do ano, e me programei para fazer a cirurgia no começo do ano que vem.

Só que como a ideia de tirar o DIU no final do ano foi se consolidando, eu comecei a pesquisar sobre a cirurgia de correção de vista durante a gestação.

Não voltei ao médico para confirmar a informação, mas de acordo com uma matéria do Conselho Brasileiro de Oftalmologia pode ocorrer as seguintes alterações na visão durante a gravidez:

  • Síndrome do Olho Seco: Problema temporário e que tende a desaparecer logo após o nascimento do bebê.
  • Sensibilidade à luz: Durante a gestação, a sensibilidade da córnea diminui, principalmente nos últimos três meses, e volta ao normal pouco tempo depois de o bebê nascer
  • Visão manchada e/ou pontos pretos na imagem: Tanto a visão manchada como a percepção de pontos podem ser sinais de pressão alta durante a gravidez.
  • Desdobramentos da Pré-Eclâmpsia: Os principais sintomas são a perda temporária da visão, maior sensibilidade à luz, visão embaçada ou formação de halos ou flashes.
  • Desdobramento do diabetes gestacional: Altas taxas associadas ao diabetes podem danificar os vasos sanguíneos que alimentam a retina, ocasionando na visão problemas relacionadas à nitidez e ao foco.
  • Mudança de grau: As variações hormonais também podem acarretar mudanças refrativas. O aumento da espessura e da curvatura da córnea e o aumento da curvatura do cristalino poderão em alguns casos levar a um desvio refrativo, aumentando a graduação dos óculos ou lentes de contato. A condição geralmente é transitória e volta ao normal de sete a oito meses após o nascimento da criança. Entre os sintoma, estão: dores de cabeça e tontura.

Em outros artigos li relatos de gravidas que as alterações que tiveram durante a gestação, permaneceram após o parto. Então, para quem já esperou por tanto tempo, acho que posso esperar um pouco mais.

Então resolvi que vou continuar com os meus belos óculos de grau por mais um tempo!

E você? Já fez ou teve vontade de fazer cirurgia para corrigir a visão? Compartilhe sua experiencia. Multiplicando informações e experiencias podemos formar uma rede de apoio e de amor. Deixe seu comentário, envie um email, comunique-se!

 

Consulta com obstetra

Marido lindo que eu amo e que será um ótimo pai!Ontem fomos a primeira consulta com obstetra! E o meu placar aumentou: Akelly 5 x 0 frustração. Como eu havia feito todos os exames de prevenção recentemente, já levei todos para a obstetra avaliar. Eu já sabia que estavam todos ok, mas como era o meu primeiro contato com ela, ela também precisava saber que está tudo bem. Acompanhe aqui a ansiedade da consulta!

Chegamos ao consultório, já mostrei todos os exames e falei que estávamos querendo engravidar. Pelos exames ela disse que estava tudo bem, e que poderíamos começar a tentar quando quiséssemos. Como eu tenho o DIU, perguntei se de alguma forma afetaria a minha fertilização. E ela disse que na semana seguinte após a retirada eu já poderia engravidar, que a fertilidade se restabelece assim que o DIU é retirado.

Expliquei pra ela que meu intuito com aquela consulta era conhecê-la. Saber o posicionamento dela sobre os tipos de parto, pra eu poder decidir com qual obstetra eu daria continuidade.

De cara eu já gostei dela. Ela foi bem enfática em dizer que o importante para ela é que a vontade da mãe fosse respeitada, desde que não colocasse em risco a vida da mãe ou do bebê. Como eu já falei da minha preferência pelo parto natural, ela já foi falando que podemos trabalhar o períneo para facilitar o parto, de atividades que ajudam o corpo a se preparar para o parto natural.

Perguntamos sobre os exames, se seria necessário algum exame complementar meu, ou algum do meu marido antes de iniciar as tentativas de gestação. Como eu já havia lido em alguns lugares que o pai da criança precisaria fazer alguns exames, tomar ácido fólico, tiramos todas essas dúvidas com ela. E ela nos esclareceu que os exames de rotina que eu já havia feito eram suficientes por enquanto, e que havia sim o pré-natal do homem, mas que este é feito apenas depois da gestação. Que por hora os exames de rotina são suficientes. Não levamos os exames do meu marido, mas como ele fez exames de rotina e está tudo bem, ela não viu necessidade de fazer qualquer tipo de exame agora.

Entramos no assunto de alimentação/suplementação vitamínica. Na página tem alguns posts sobre alimentação. Acesse aqui e aqui. As informações foram básicas e suficientes: comer frutas, verduras e legumes, evitar doces, embutidos, gordura e sal. Especialmente tomar cuidado com doce e sal, por causa do risco de pressão alta e diabetes gestacional. Uma coisa que ela falou que eu não sabia foi a questão da proteína. Ingerir bastante proteína, e eu como uma boa carnívora já fui perguntando sobre a carne mal passada. E pra minha surpresa ela disse que está liberada! Ah, e o sushi? Esse não! Depois da gestação, ela não recomenda a ingestão de peixe cru. Café? Melhor reduzir a quantidade! Essas orientações são basicamente orientações para a vida! Só o peixe cru que fica de lado durante a fase gestacional. Em relação a suplementação ela receitou o ácido fólico por um período de 6 meses antes da gestação, mas deixou bem claro que se eu quisesse tirar o DIU naquele momento, não seria um problema se eu engravidasse sem tomar o ácido fólico com toda essa antecedência, pois eu continuaria tomando durante a gestação. E que se eu ainda ficasse com muitas dúvidas durante a gestação ela me encaminharia para uma nutricionista durante a gestação. Coisa que certamente eu vou querer.

E a retirada do DIU? Eu quando fui colocar o DIU, (Prevenindo a gravidez com o DIU) só me preocupei em saber como seria para pôr, não me interessei em saber como seria para retirar. Ele já estaria lá e uma hora teria que sair. Mas ela me tranquilizou dizendo que para retirar é mais fácil e menos dolorido do que para colocar. Que o melhor momento para retirar o DIU é quando há sangramento menstrual, pois o útero não está contraído, mas que se eu quisesse poderíamos tirar imediatamente. Quando ela falou isso, dei uma olhada de rabo de olho pro maridão, e perguntei: vamos? Ele: Agora? Não amor, nós não combinamos só no final do ano?

Esta é a vantagem de ser casada com um pessoa que tem o “pé no chão”…rs Ainda temos umas continhas pra pagar antes de engravidar. Sabemos que podemos demorar até 1 ano para engravidar, mas vai que vem em um mês? Eu não ficaria tranquila querendo comprar coisas pro bebê sabendo que a grana está curta. Eu estou me preparando e me programando pra isso, não dá pra deixar tudo o que planejamos de lado já na reta final.

Perguntei sobre exercícios físicos, – Ajustando o peso – atualmente a minha atividade física é zumba. A única atividade que eu realmente gosto. Ela esclareceu que a principio não tenho com o que me preocupar, que o que vai determinar se posso ou não fazer atividades físicas vai ser a gestação, e não temos como prever como será, que a única atividade que ela não gosta muito para gestantes é o Cross Fit, e que o recomendável seria o pilates e natação. Que são atividades que ajudam no preparo para o parto. A natação eu não cogitei a possibilidade, mas o pilates sim. Se tudo der certo até o final do ano eu pretendo começar a fazer.

Tiramos algumas dúvidas sobre o plano de saúde, assistência na hora parto, que foram prontamente respondidas.

E assim foi a nossa primeira consulta com a obstetra. E deixo um recado pra vocês: busquem informações, pesquise, mas antes de fazer qualquer coisa, consulte um médico. Claro que tem coisas que devemos usar o bom senso, principalmente em relação a alimentação. Comer de tudo um pouco, não exagerar em nenhum tipo de alimento. Até água em excesso faz mal.

Acredito que a nossa próxima consulta será daqui uns 4 ou 5 meses, para retirarmos o DIU. Enquanto isso, seguimos tomando ácido fólico, tendo uma boa alimentação e fazendo atividade física!

E você? Já consultou com o obstetra? Compartilhe sua experiencia. Multiplicando informações e experiencias podemos formar uma rede de apoio e de amor. Deixe seu comentário, envie um email, comunique-se!

Clareamento dental na gestação

Sorriso que voltará a ser branquinho!

Tudo bem que eu estou parecendo a louca querendo fazer tudo de uma vez o que eu não fiz antes de querer engravidar.

Mas na verdade são coisas que eu sempre quis fazer mas nunca achava que seria o momento certo. Mas quer saber uma coisa que eu já estou aprendendo com esta coisa louca chamada de vida? Que nada tem a hora certa. Não existe a hora certa para se formar, se casar, engravidar, viajar, não tem hora certa para nada. Nós é quem devemos fazer a nossa hora certa. Sabe qual foi o melhor momento para eu me formar? Quando eu me formei. Casar? Quando eu casei. Engravidar? Quando eu engravidar, e se não engravidar também, é porque não era pra ser. Tem coisas que por mais que você queira, que você planeje, simplesmente não acontecem. Existem as coisas que só dependem de nós, e essas coisas são mais fáceis de serem conquistadas, pois dependem do nosso esforço e força de vontade. Mas tem coisas que não dependem só da gente. E a gestação é uma delas. Primeiro dependemos de um parceiro que queira procriar, e depois depende do nosso organismo e, como eu acredito, da vontade de Deus. Então, temos que fazer o nosso momento.

De acordo com os meus planos inicias para a gestação, eu queria terminar de pagar minha casa, decorá-la, fazer uma ótima viagem. Daquelas com direito a tudo o que eu quisesse, e só na volta eu pensaria em engravidar. Mas aí eu comecei a pensar em algumas outras coisas que eu queria fazer antes de engravidar, como depilação definitiva Depilação a laser na gestação, clareamento dental, cirurgia para correção de vista, e até o final do ano eu vou lembrar de muito mais coisas que eu dizia: quero fazer isso antes de engravidar! E eu percebi que se eu não começasse logo eu não iria engravidar nunca e sempre ficaria adiando, e o problema de ficar adiando a gravidez depois dos 30 é que os 35 já estão batendo na porta e quando menos esperar chega os 40. E depois desta idade além de aumentar a chance de ter um bebe com algum tipo de deficiência, diminui o pique pra passar noite acordadas. Mas eu cheguei a uma conclusão. Na adolescência foi uma opção passar noites em claro nas baladas e agora com a maternidade também vai ser por opção. Então espero que isso me dê forças para encarar as noites acordadas.

Ah, eu tinha uma lista de todas as coisas que eu queria fazer na vida, mas eu perdi os papeizinhos e as vezes lembro de um outro desejo de adolescência e vou acrescentando na lista de agora!

Então como o clareamento dental estava na minha lista, eu comecei a fazer uma pesquisa sobre as formas de clareamento. Se seria melhor o laser ou o caseiro (com moldura). Depois de ter pesquisado sobre o assunto, marquei uma consulta com o dentista para ver qual seria o melhor pra mim.

Entre as opções de laser ou o caseiro, ponderei as informações que ele passou:

  • Laser:
    • É feito no consultório pelo dentista;
    • O produto a ser aplicado é mais concentrado;
    • Apenas uma sessão;
    • Mais caro que o caseiro;
    • Não tem manutenção, é necessária uma nova aplicação.
  • Caseiro:
    • É feito em casa pelo paciente;
    • O produto é mais diluído e o clareamento é feito de forma gradativa;
    • Dura em média 20 dias;
    • Quase a metade do preço do laser;
    • Se precisar, pode ser feita manutenção, comprando apenas o produto a ser aplicado, pois a moldeira poderá ser aproveitada.

Analisando custo/benefício, optei por fazer o clareamento caseiro, embora o resultado seja o mesmo, preferi aplicar o produto em doses homeopáticas do que colocar tudo de uma vez. Tenho medo do dente ficar sensível, mesmo o médico dizendo que o risco é pequeno. E também pensando no bolso. Pra quem já passou tanto tempo com o dente amarelado, esperar alguns dias não vai fazer tanta diferença assim.

Antes de iniciar o clareamento, vamos fazer uma limpeza dendal, e depois do tratamento, vamos fazer a troca de uma resina, porque a beleza aqui, quando criança, caiu de boca no chão e quebrou o dente da frente! E só depois do clareamento é que o dentista vai poder ver qual a cor do dente para trocá-la.

E a parte mais importante! E se eu ficar grávida? Perguntei ao dentista se o tratamento poderia ser continuado caso eu engravide durante o tratamento. Ele me aconselhou a fazer antes, mas não tem nada que impeça o uso, pois o produto atinge externamente, MAS, que qualquer tratamento em gestante só deve ser continuado com o aval do obstetra!

Como eu já consultei com a obstetra que eu escolhi para me acompanhar, perguntei a ela se caso eu engravidasse, se eu poderia dar continuidade ao tratamento. Como moramos em cidade pequena e a maioria dos profissionais de saúde se conhecem, ela perguntou quem era o meu dentista e qual seria o tipo de clareamento a ser feito. Como o dentista informou que não havia nenhuma contra indicação para grávida na bula do produto, ele disse que caso eu engravidasse durante o tratamento, eu poderia dar continuidade, e com base nestas informações, a obstetra também liberou. Até porque, é difícil descobrir a gravidez logo no início, e o tratamento dura em média 20 dias. Perguntei mais por precaução. Afinal, a dúvida existia e havia dois profissionais para saná-la.

Isso é muito sério! O médico que deve dar permissão para dar prosseguimento a qualquer tipo de tratamento em grávida é o obstetra. Só ele é quem faz o acompanhamento de saúde da gestante e tem condições de continuar ou interromper qualquer tipo de tratamento.

Então, vou para a próxima fase: deixar os dentes branquinhos! Mas só daqui a duas semanas, porque eu acabei de ligar no consultório e o médico viajou! E quando ele voltar os dentinhos da foto voltarão a ser branquinhos 🙂

E você? Já fez algum tipo de clareamento dental? Compartilhe sua experiencia. Multiplicando informações e experiencias podemos formar uma rede de apoio e de amor. Deixe seu comentário, envie um email, comunique-se!